“Velhos (não) são os Trapos” nem as rendas nem os bordados

Local, Notícias

Os exemplos de entrega a uma atividade em várias pessoas da comunidade sénior abundam e mostram que quando existe paixão no que se faz, tudo se torna mais fácil. Em Pedras Salgadas mora uma senhora de 72 anos de idade que é prova viva disso mesmo.

Por: Jorge Moutinho

Agostinha Pereira nasceu em Barbadães de Cima (freguesia de Vreia de Bornes) e foi ainda muito nova viver para o Porto. Ainda esteve emigrada na Alemanha e voltou depois para Portugal, indo morar para a Vila Termal há cerca de 35 anos. Desde muito nova que aprendeu a bordar, a fazer croché e a trabalhar com linho, confessando que foi por influência de uma tia que ganhou o gosto por essas atividades, mas quando voltou a Portugal e se estabeleceu em Pedras Salgadas, tirou um curso de bainhas abertas, tendo-se especializado mais, sendo que a paixão por essa área cresceu e manteve-se até hoje, até contra os conselhos de familiares pois a Dona Agostinha confessa que as suas filhas lhe dizem muitas vezes para deixar de trabalhar, dado o ritmo elevado que a atividade vai exigindo.

Desde peças em linho, passando por bordados, malhas, crochés até roupas para bebés e crianças, muitos são os trabalhos que Agostinha Pereira vem fazendo desde há muito tempo, pois recorda que por exemplo já participa na Feira do Mel e do Artesanato de Pedras Salgadas, desde as primeiras edições desse certame, já lá vai mais de década e meia.

De resto já foi convidada para vários certames em Chaves, Porto ou Gaia entre outros locais, mas confessa que não tem mostrado disponibilidade para atender a esses convites dado que tem de cuidar do marido que está doente há vários anos. No decorrer da entrevista à RCA, Agostinha Pereira anima-se novamente quando fala sobre as dezenas de clientes que vai tendo não só no concelho aguiarense, mas também em Vila Real, Lisboa e até no estrangeiro, em países como Alemanha, França ou Inglaterra.

O tempo que demora a fazer uma peça depende sempre do que é pedido e do tamanho da peça mas a Dona Agostinha sempre vai dizendo que em menos de uma semana raramente se faz um trabalho.
Agostinha Pereira, artesã aguiarense a residir em Pedras Salgadas há mais de três décadas tem 72 anos de idade e leva o nome da Vila Termal e do concelho aguiarense além-fronteiras, devido à grande qualidade do seu trabalho.

*Foto de capa é do Noticias de Aguiar, na Feira do Mel, em Pedras Salgadas 

Mais vistos

Menu